Estabelecimentos comerciais são registrados como patrimônios imateriais no Rio

Fundada em 1894, a Confeitaria Colombo faz parte do patrimônio cultural e artístico da cidade

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, publicou na última semana um decreto que registra 23 comércios tradicionais do centro da cidade como Patrimônios Culturais de Natureza Imaterial. Entre as instituições registradas pelo decreto estão a Confeitaria Colombo, o Angu do Gomes, a Tabacaria Africana, a Charutaria Syria, a Gráfica Marly, o Rio Scenarium, a Mala Ingleza e o Bar Brasil. Segundo a prefeitura, o título oficial objetiva requalificar os negócios tradicionais da área do chamado ‘Rio Antigo’.

A decisão do prefeito levou em consideração convênio firmado entre o Instituto Rio Patrimônio da Humanidade e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio de Janeiro (Sebrae-RJ), que fizeram estudos visando à preservação do comércio do centro da cidade, considerado referência cultural do município. A lista inclui 21 comércios tradicionais do centro da cidade, um no bairro da Saúde e um na Gamboa, ambos localizados na zona portuária.

O famoso restaurante Angu do Gomes serve culinária popular à la carte desde 1955

Para o presidente do Polo Rio Antigo, Carlos Thiago Cesário Alvim, o reconhecimento vem em boa hora porque a associação iniciou há mais de 20 anos a revitalização da região central, que se tornou símbolo da cultura da carioca e berço da boemia, sendo muito procurada por turistas e moradores da cidade.

“Apesar de todas as dificuldades que o empresariado enfrenta, ficamos muito honrados por este reconhecimento, que nos dá fôlego e robustez para continuar lutando pela nossa região e pela nossa cidade. Temos, entre as casas reconhecidas, os fundadores do Polo Novo Rio Antigo, o que faz esse título ainda mais especial para a gente. Esperamos que esse reconhecimento como Patrimônio Cultural traga mais atenção do Poder Público para a região e estimule ainda mais o fluxo de visitantes”, disse Alvim.

A prefeitura advertiu que o estabelecimento que não mantiver as características que o identificaram como representativo de atividade econômica tradicional e notável poderá ter o registro como bem cultural cancelado. Isso poderá acontecer também se o comércio encerrar suas atividades. Nos dois casos, a decisão caberá ao Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio Cultural, informou a prefeitura.

A casa de espetáculos Rio Scenarium funciona em um casarão antigo, repleto de antiguidades

Informações: Prefeitura do Rio de Janeiro