Rio em verso e prosa: Rio de Janeiro

(Composição: Aldir Blanc e Guinga)

Rio de Janeiro, teu perfume, teu tempero é o azul do mar
O teu olhar coral, a água viva de sal espraiada
No teu corpo de luz
Esse poder que Deus deu quando o Rio se lamenta
Uma onda arrebenta, sensual e traz de lá
Sereia liberta da teia das redes pra encantar
E vem num cavalo-marinho sobre as águas reinar
O brilho da veste de brisa no altar
Yorubá de Iemanjá, de Iemanjá no mar
Rio de Janeiro, o poeta num veleiro veio te contar
Que o carioca vê a mata atlântica inteira
Na palma de um coqueiro solar
Esse é o povo que dança nas ruas
E o turista que desce na pista do lugar
Quer se tornar moreno
E primo de Ogum, afilhado de Orixá
Faz jogo de bicho na sombra leve de um flamboyant
Em tardes azuis reza no Maracanã
A oração do futebol e o gol é o sol