Museu Marítimo deve fazer parte do circuito cultural da zona portuária

Museu Marítimo tratará do vasto universo ligado ao mar, com foco no território brasileiro (Divulgação)

O novo Museu se integrará ao patrimônio histórico, natural e urbano de seu entorno, onde estão a Ilha Fiscal, a Igreja da Candelária, a Casa França-Brasil, o CCBB, o Museu Naval, o Museu Histórico Nacional, o Museu de Arte do Rio e o Museu do Amanhã.

Com finalidade mais abrangente do que museus navais – de conteúdo militar – ou museus oceanográficos – que se atêm à vida biológica de oceanos e áreas costeiras – o Museu Marítimo tratará do vasto universo ligado ao mar, com foco no território brasileiro.

A navegação, as pesquisas científicas, as variadas manifestações místicas e religiosas, a presença humana, portos, faróis, a indústria da pesca, a indústria naval, tudo o que for relativo ao mar e aos rios brasileiros será objeto de interesse de exposições no Museu Marítimo”, afirma o diretor do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, órgão que está à frente do desenvolvimento da nova instituição.

O Museu Marítimo do Brasil se agrega à reurbanização da área portuária do Rio de Janeiro, que devolveu à cidade sua vocação de estar voltada para o mar, elo de ligação com o resto do país e com o mundo. O novo prédio, segundo informações, deve ser construído no lugar do atual Espaço Cultural da Marinha.

Informações: Divulgação