Povos indígenas são tema de mostra de cinema na Caixa Cultural

A CAIXA Cultural do Rio de Janeiro apresenta, até 16 de abril (terça-feira a domingo), a mostra Corpos da terra – imagens dos povos indígenas no cinema brasileiro, com a exibição de 39 filmes que traçam um panorama da relação entre os povos originários e o cinema. O projeto tem curadoria de Eric Macedo, Flora Bezerra, Gabriel Meyohas e Thiago Ortman. O patrocínio é da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

Foram selecionados curtas, médias e longas-metragens que abordam diferentes aspectos da vida e da história indígena no país, dando atenção especial à relação entre os povos e a terra, seus diferentes modos de ocupação do espaço e às histórias de usurpação de seus territórios tradicionais.

Durante a mostra, o público poderá conferir produções cinematográficas recentes dos próprios índios, entre elas Bicicletas de Nhanderu (2011), Índio Cidadão (2014) e Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete: Os verdadeiros líderes espirituais (2014), além de obras fundamentais do cinema brasileiro, como Descobrimento do Brasil (1936), Idade da Terra (1980), Serras da desordem (2006), e outras mais atuais, como Martírio (2016) e Taego Ãwa (2016).

“São destacados na mostra diversos filmes realizados nos últimos anos por cineastas indígenas. Obras de extrema importância para o Brasil atual e desconhecidas pelo grande público”, comenta a curadora Flora Bezerra.

No dia 14 de abril (sexta-feira), as sessões de Uaka (1988) e 500 Almas (2017) terão a presença de seus respectivos diretores, Paula Gaitán e Joel Pizzini.

“Os filmes selecionados dão ao público a oportunidade de conhecer um pouco da vida cotidiana dos povos indígenas que habitam o território brasileiro. Mas demos um enfoque particular à luta desses povos pelo reconhecimento de seus territórios e às histórias de resistência às violências que seguem os atingindo quinhentos anos depois do início da colonização portuguesa”, afirma o curador Eric Macedo.

As Hiper Mulheres (2011), de Leonardo Sette, será exibido neste domingo, 9 de abril

Debates:

Além da programação de filmes, serão promovidos dois debates e uma roda de bate-papo a respeito de questões sobre os povos indígenas e sua relação com a produção cinematográfica nacional. Neste domingo (9), às 19h, Renata Tupinambá e Alberto Alvares discutem as diferentes maneiras como os índios foram e são retratados no cinema brasileiro no debate Olhares e construções: Indígenas nas telas.

E no dia 13 de abril (quinta-feira), às 19h, ocorre a roda de bate-papo Mulheres indígenas na cidade, com a presença de importantes vozes femininas, como a jornalista, indígena urbana e fotógrafa Sallisa Rosa, a mestranda em antropologia e guarani nhandeva, Sandra Benites, e a estilista e artesã da etnia anambé, Maria do Socorro Borges. A roda será uma conversa aberta, pautada pelas vivências de mulheres indígenas na cidade. O encontro será realizado no saguão da CAIXA Cultural Rio de Janeiro, com entrada franca.

Bicicletas de Nhanderu (2011)

Confira a programação completa:

09 de Abril (domingo)

Cinema 1

14h – Yndio do Brasil (1995), de Silvio Back, Brasil, 70 min, 35mm, 12 anos

17h30 – A arca dos Zo’é (1993), de Vincent Carelli e Dominique Tilkin Gallois, Brasil, 22 min, Digital, Livre

Karai Ha’egui Kunhã Karai ‘ete – Os verdadeiros líderes espirituais (2014), de Alberto Alvares, Brasil, 67 min, Digital, Livre

 

Cinema 2  

15h30 – As Hiper Mulheres (2011), de Leonardo Sette, Takumã Kuikuru e Carlos Fausto, Brasil, 80 min, Digital, Livre

19h – Debate: Olhares e construções: Indígenas nas telas, com Renata Tupinambá e Alberto Alvares

 

11 de Abril (terça-feira)

Cinema 1

16h – Uaka (1987), de Paula Gaitán, Brasil, 77 min, 16mm, Livre

18h30 – Conversas no Maranhão (1983), de Andrea Tonacci, Brasil, 116 min, 16mm,12 anos

 

Cinema 2

17h30 – Paralelo 10 (2012), de Silvio Da-Rin, Brasil, 87 min, Digital, Livre

 

12 de Abril (quarta-feira)

Cinema 1

16h – Iracema, uma transa amazônica (1975), de Jorge Bodanzky e Orlando Senna, Brasil, 90 min, Digital, 14 anos

18h – O descobrimento do Brasil (1937), de Humberto Mauro, Brasil, 62 min, 35mm, Livre

19h30 – Festas e Rituais Bororo (1916), de Luiz Thomaz Reis, Brasil, 26 min, 16mm, Livre

Yndio do Brasil (1995), de Silvio Back, Brasil, 70 min, 35mm, 12 anos

 

Cinema 2

16h30 – O mestre e o divino (2013), de Tiago Campos Torres, Brasil, 85 min, Digital, Livre

 

13 de Abril (quinta-feira)

Cinema 1

15h – Tupinambá, o retorno da terra (2015), de Daniela Alarcon, Brasil, 25 min, Digital, Livre

Presente dos Antigos (2009), de Ranisson Xacriabá e José dos Reis Xacriabá, Brasil, 52 min, Digital, 14 anos

Surara: a Luta pela Terra Tupinambá (2017), de Veronica Monachini e Thomaz Pedro, Brasil, 20 minutos, Digital, Livre

17h – Osiba Kangamuke – Vamos Lá, Criançada (2016), de Haya Kalapalo, Tawana Kalapalo, Thomaz Pedro e Veronica Monachini, Brasil, 20 min, Digital, Livre + Nguné Elü, O dia em que a lua menstruou (2004), de Takumã Kuikuro e Maricá Kuikuro, Brasil, 28 min, Digital, Livre

Konãgxeka: O Dilúvio Maxakali (2016), deCharles Bicalho, Isael Maxakali, Brasil, 13 min, Digital, Livre

Naquele tempo todos eram gente (2016), de Aline Baiana Cavalcanti, Brasil, 26 min, Brasil, Digital, Livre

Zahy – uma fábula sobre o Maracanã (2012), de Felipe Bragança, Brasil, 5 min, Digital, Livre

Cinema 2

15h30 – A nação que não esperou por Deus (2015), de Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen, Brasil, 89 min, Digital, 12 anos

Saguão

19h – Roda de bate-papo: Mulheres indígenas na cidade, com Maria do Socorro Borges, Sallisa Rosa e Sandra Benites

 

14 de Abril (sexta-feira)

Cinema 1

15h – Paralelo 10 (2012), de Silvio Da-Rin, Brasil, 87 min, Digital, Livre

17h – Curtas: Bicicletas de Nhanderu (2011), de Patrícia Ferreira e Ariel Ortega, Brasil, 48 min, Digital, Livre

Das crianças Ikpeng para o mundo (2001), de Karané Ikpeng, Natuyu Yuwipo Txicão e Kumaré Ikpeng, Brasil, 35 min, Digital, Livre

Osiba Kangamuke – Vamos Lá, Criançada (2016), de Haya Kalapalo, Tawana Kalapalo, Thomaz Pedro e Veronica Monachini, Brasil, 20 min, Digital, Livre

Prîara Jõ, Depois do ovo, a guerra (2008), de Komoi Paraná, Brasil, 15 min, Digital, Livre (exibição digital)

19h – 500 Almas (2007), de Joel Pizzini, Brasil, 105 min, 35mm, Livre. Exibição com presença do diretor.

 

Cinema 2

17h30 – Índios no poder (2015), de Rodrigo Arajeju, Brasil, 20 min, Digital, Livre + Índio Cidadão? (2014), de Rodrigo Siqueira, Brasil, 52 min, Digital, 12 anos

 

15 de Abril (sábado)

Cinema 1

14h – Para onde foram as andorinhas (2015), de Mari Corrêa, Brasil, 22 min, Digital, Livre

Pirinop, meu primeiro contato (2007), de Mari Correa e Karané Ikpeng, Brasil, 83 min, Digital, Livre

16h – Terra dos índios (1979), de Zelito Viana, Brasil, 107 min, 35mm, Livre

18h30 – Serras da desordem (2006), de Andrea Tonacci, Brasil, 130 min, 35mm, 14 anos

 

Cinema 2

13h30 – Tupinambá, o retorno da terra (2015), de Daniela Alarcon, Brasil, 25 min, Digital, Livre

Presente dos Antigos (2009), de Ranisson Xacriabá e José dos Reis Xacriabá, Brasil, 52 min, Digital, 14 anos

Surara: a Luta pela Terra Tupinambá (2017), de Veronica Monachini e Thomaz Pedro, Brasil, 20 minutos, Digital, Livre

15h30 – Vale dos Esquecidos (2012), de Maria Raduan, Brasil, 75 min, Digital, 12 anos

 

16 de Abril (domingo)

Cinema 1

15h – Corumbiara (2009), de Vincent Carelli, Brasil, 118 min, Digital, 10 anos

17h – Martírio (2016), de Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita, Brasil, 160 min, Brasil, Digital, 14 anos

 

Cinema 2

13h – Curtas: Bicicletas de Nhanderu (2011), de Patrícia Ferreira e Ariel Ortega, Brasil, 48 min, Digital, Livre + A arca dos Zo’é (1993), de Vincent Carelli e Dominique Tilkin Gallois, Brasil, 22 min, Digital, Livre + Shomõtsi (2001), de Wewito Piyãko, Brasil, 42 min, Digital, Livre

Informações: Divulgação