Estádio Aquático Olímpico é inaugurado na Barra da Tijuca

Moderno sistema de ventilação é um dos trunfos do palco das competições de natação e pólo aquático nos Jogos Rio 2016

Uma visão do interior do Estádio Aquático Olímpico, já com os assentos instalados (Foto: Prefeitura do Rio/Renato Sette Camara)

Idealizado a partir de princípios de sustentabilidade, o Estádio Aquático Olímpico foi oficialmente inaugurado na última sexta-feira (8), na Barra da Tijuca, Zona Oeste. E o palco para as competições de natação e pólo aquático nos Jogos Rio 2016 já começou chamando a atenção pelo inovador sistema de ventilação, que proporciona uma economia de energia considerável.

A Prefeitura do Rio, que supervisionou a construção da arena (com investimentos do governo federal), estima que seriam necessários 10 mil aparelhos de ar condicionado para refrigerar o local. No entanto, cerca de quinze mil pequenos furos na estrutura garantem a circulação do ar e devem proporcionar temperaturas amenas para os espectadores no Parque Olímpico da Barra durante as competições Olímpicas e Paralímpicas.

Foto: Prefeitura do Rio/Renato Sette Camara

O Estádio Aquático Olímpico tem duas piscinas: uma para competição e outra para treinamentos, cada uma com capacidade para 3,7 milhões de litros. Os assentos da frente ficam a apenas 10 metros da água. Um sistema de filtros especiais adotado reduz em 25% o uso de produtos quimicos, e a regulação térmica garante temperatura entre 25 e 28 graus, conforme as recomendações da Fina (Federação Internacional de Natação).

O Estádio Aquático vai sediar sua primeira competição neste mês: de 15 a 20 de abril, o Troféu Maria Lenk, campeonato brasileiro que vale classificação Olímpica para os atletas nacionais. De 22 a 24, quem cai nas piscinas são os astros da natação Paralímpica (com participação de 212 atletas de 19 países). De 25 a 29, é a vez do evento-teste de pólo aquático.

Nos Jogos Olímpicos, a instalação será palco de todas as provas de natação (entre 6 e 13 de agosto) e também das fases decisivas do pólo aquático (de 14 a 20 de agosto). Nos Jogos Paralímpicos, a natação será disputada no local, entre 8 e 17 de setembro.

Assim como a Arena do Futuro, que será desmontada e terá partes utilizadas para a construção de quatro escolas públicas, o Estádio Aquático Olímpico vai ser reformulado após os Jogos e transformado em dois centros aquáticos.

Trabalhos da artista plástica Adriana Varejão dão cara ao Estádio Aquático Olímpico, na Barra da Tijuca (Rio 2016/Alex Ferro)

Esporte com arte
O Estádio Aquático Olímpico inova também na sua “cara”: o exterior da estrutura está envelopado por trabalhos da renomada artista plástica brasileira Adriana Varejão. Sessenta e seis painéis, cada um com 27 metros, reproduzem “Celacanto Provoca Maremoto”, instalação exposta no Instituto Inhotim (MG), que tem como referências azulejaria portuguesa e barroco. Todos os paineis receberam tratamento anti-raios ultravioleta para ajudar a regular a temperatura da instalação.

Fonte: Rio 2016