Sebrae abre Centro de Referência do Artesanato Brasileiro no Rio

Inaug CRAB 27052014 nacional WEB-1529.Foto-_Marcus_Melgar
Foto: Marcus Melgar

Artesãos e cooperativas de trabalho artesanal de todo o país ganham novo apoio com um conjunto de iniciativas que vai consumir R$ 27 milhões, neste ano, do orçamento do Sebrae para fortalecer a arte popular de qualidade feita no Brasil no mercado interno e no exterior. Outros R$ 40 milhões foram gastos pela instituição na montagem do Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB), inaugurado na última quinta-feira na Praça Tiradentes, Centro Histórico do Rio. O empreendimento vai abrigar mostras permanentes e de curta duração de peças selecionadas em todos os estados, além de espaços para comercialização, treinamento e qualificação dos empreendedores do setor.

Em visita às instalações erguidas num conjunto de prédios construídos em 1808, o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, disse que a intenção é promover o artesanato brasileiro de modo que ele seja reconhecido no país e internacionalmente. “É parte da nossa estratégia para reposicionar o artesanato no mercado nacional e no exterior, para que ele seja objeto de reconhecimento e valorização, inclusive encontrando melhores preços.”

Além de nove salas de exposições permanentes e de curta duração distribuídas em três pisos, o CRAB contará com uma loja do programa Brasil Original, do Sebrae, que vai oferecer peças selecionadas, com estimativa de negócios ao redor de R$ 1 milhão por ano. As peças serão oferecidas em sistema de consignação a partir de preços definidos pelos artesãos. Dados do Programa Brasileiro de Artesanato indicam que há mais de 92 mil artesãos inseridos no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab).

4

Pesquisa realizada em 2014 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – último levantamento disponível – mostra que o artesanato persiste como atividade econômica presente em 78,6% dos municípios. O CRAB reforça a política do Sebrae de apoio ao artesanato como expressão da identidade e da cultura brasileiras, incluindo a realização de feiras nos estados e novas versões do programa Brasil Original, que consiste na montagem de lojas em shopping centers para comercializar trabalhos confeccionados em todo o país.

A diretora técnica da instituição, Heloísa Menezes, informou que o Sebrae definiu orçamento de R$ 6 milhões para o CRAB neste ano, além de R$ 21 milhões que serão aplicados em 34 projetos de assistência a artesãos. “Nossa intenção é mudar o paradigma do artesanato visto como estratégia de vida de uma população de baixa renda e que atua na informalidade. Queremos que a atividade seja reconhecida como expressão da identidade brasileira e parte do nosso patrimônio simbólico e artístico e requalificá-la”, afirmou.

A escolha do Rio para abrigar as instalações, segundo o presidente do Sebrae, se deve ao fato de o estado se caracterizar como porta de entrada importante de turistas no Brasil. Será realizado um esforço de divulgação do centro de referência, aproveitando também a realização das Olimpíadas. O empreendimento será aberto ao público no dia 22, com acesso à exposição de inauguração “Origem vegetal: a biodiversidade transformada”, que apresenta cerca de 800 peças elaboradas por artesãos de 27 estados. O tema são os objetos feitos com matérias-primas de origem vegetal, derivados de plantas e árvores, a exemplo de madeiras, palhas, fibras, sementes e resina.

Ministro Afif Domingos (E) inaugurou o Centro de Referência do Artesanato no Rio. Minas foi representada em exposição por artesãos de vários municípios, como os de Capitão Enéas, com seus objetos em madeira de umburama, cedro e ipê atençãoas galinhas feitas de trigo em Bento Gonçalves. Maria da Glória mostraos trabalhos confeccionados em Conceiçãodas Alagoas (MG (foto: MARTA VIEIRA/EM/D.A PRESS)
Ministro Afif Domingos (E) inaugurou o Centro de Referência do Artesanato no Rio. Minas foi representada em exposição por artesãos de vários municípios, como os de Capitão Enéas, com seus objetos em madeira de umburama, cedro e ipê atençãoas galinhas feitas de trigo em Bento Gonçalves. Maria da Glória mostraos trabalhos confeccionados em Conceiçãodas Alagoas (MG (foto: MARTA VIEIRA/EM/D.A PRESS)