Como a ‘truculência’ de Oswaldo Cruz varreu o Aedes aegypti das cidades brasileiras

151211093519_aedes_aegypti_thinkstock_640x360_thinkstock_nocredit

Rio de Janeiro, início do século 20. Na calada da noite, eles entravam nas casas à procura de um invasor sorrateiro e muitas vezes imperceptível. Reviravam tudo e, se o encontrassem, matavam-no sem dó nem piedade.

Essa era a rotina do Serviço de Profilaxia da Febre Amarela, criada pelo sanitarista Oswaldo Cruz, para combater a epidemia da doença, também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que assolava o país. Agindo por vezes de forma truculenta, as chamadas brigadas de mata-mosquitos ─ grupos de agentes sanitários munidos de inseticidas capazes de eliminar focos de insetos ─ empregavam um modelo de ação totalmente militar.

Apesar das críticas, as medidas surtiram efeito em pouco tempo. Em março de 1907, a febre amarela foi considerada erradicada no Rio de Janeiro. E até hoje não existem casos notificados da variação da doença em áreas urbanas no Brasil.

A iniciativa das brigadas para combater o Aedes aegypti nasceu em meio à escassez de métodos alternativos. Como na época não havia vacina contra a febre amarela, caçar o mosquito era a única opção viável para resolver o problema.

Os agentes percorriam as ruas da capital e entravam nas casas, lavavam caixas de água, jogavam remédio em ralos e bueiros, limpavam telhados e calhas, instalavam redes de proteção, removiam qualquer possível local de desova dos mosquitos, num trabalho exaustivo de combate à doença.

Muitas vezes, as brigadas simplesmente invadiam as casas quando não eram bem-vindas. E quando a população começou a conseguir habeas corpus para impedir a invasão sanitária, Oswaldo Cruz colocou suas brigadas para trabalhar de madrugada, surpreendendo os moradores.

Ao encontrar doentes nas casas visitadas, os agentes não apenas desinfetavam o local, como providenciavam o isolamento domiciliar do paciente ou o transferiam para um hospital de isolamento.

Solução?

Mas o Aedes aegypti voltou no fim dos anos 80 e desde 1990 o Brasil convive com epidemias sazonais de dengue no verão. Neste ano, duas novas epidemias, ambas transmitidas pelo mosquito, ganharam terreno: a chikungunya e a zika. Com a última se revelando um problema de bem maior do que o imaginado originalmente e com um impacto social devastador, caçar o mosquito não poderia ser, mais uma vez, a solução?

“De fato, até o fim dos anos 80, a questão era dada por resolvida”, constata o epidemiologista Denizar Vianna, do Departamento de Clínica Médica da UERJ.

“Mas as coisas mudaram muito. Naquela época não havia a mobilidade de hoje, com o fluxo constante de pessoas para todo lado”, acrescenta.

Especialistas acham praticamente impossível repetir, mais de 100 anos depois, a façanha de Oswaldo Cruz. Primeiro pela dimensão do problema.

O primeiro caso de zika no país foi registrado em maio deste ano e, atualmente, já há notificações em praticamente todas as unidades da federação. Além disso, foi confirmada uma relação entre o vírus e a microcefalia ─ uma má formação do cérebro durante a gestação. Segundo o Ministério da Saúde, já são 1.761 casos notificados em 422 municípios de 13 Estados e no Distrito Federal.

151211093908_aedes_aegypti_afp_640x360_afp_nocredit

E a doença, hoje, se espalha assim tão rapidamente, por um motivo simples: mobilidade. Em poucas horas, um sujeito infectado sai do Nordeste e já está no Rio de Janeiro, pronto para ser picado por um mosquito que disseminará o vírus.

No início do século passado era muito diferente. Poucas pessoas se locomoviam por grandes distâncias e, mesmo quando isso, eventualmente, acontecia, elas levavam semanas no deslocamento ─ o que dava tempo até de curar a doença antes de chegar ao destino. Há 100 anos, os focos de doenças eram muito mais concentrados, enquanto que hoje são muito mais espalhados.

Estima-se, inclusive, que o próprio zika ─ que nunca havia dado as caras por aqui ─ tenha chegado durante a última Copa do Mundo, quando milhares de pessoas, dos mais diferentes continentes, vieram ao país.

Outro problema é o tamanho da população e das próprias cidades. Se era factível que as brigadas de Oswaldo Cruz visitassem cada casa da cidade, hoje isso seria uma tarefa impossível pela própria dimensão dos conglomerados urbanos do país.

Um desafio a mais na luta de hoje é a quantidade de plástico que existe e se acumula ─ oferecendo um potencial local de acúmulo de água e desova para os mosquitos.

“Do ponto de vista operacional, é muito mais difícil caçar mosquito hoje”, atesta Vianna.

E há ainda a questão das mudanças climáticas, como lembra o especialista.

“A temperatura mais elevada e o aumento das chuvas cria um cenário ideal para a proliferação do mosquito.”

9065

Conscientização

Para minimizar os efeitos da grande tragédia que se configura com a chegada do verão, especialistas apostam nas campanhas de educação da população, nas vacinas ─ um imunizante contra a dengue acaba de ser aprovado no México e já está em análise no Brasil ─ e em métodos biotecnológicos para a contenção da reprodução dos terríveis mosquitos.

“A educação da população é muito importante, claro”, diz Vianna. “Mas, sozinha, não creio que ela poderá dar conta do problema. Precisamos de outras ações.”

“A melhor forma de combater as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é por meio da prevenção, evitando o acúmulo de água parada em recipientes que podem se transformar em criadouros”, recomenda a pesquisadora do Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Ana Bispo, responsável pela detecção do genoma do vírus Zika no líquido amniótico de duas gestantes.

“Como o mosquito leva de 7 a 10 dias para chegar de ovo à fase adulta, basta que a população elimine os criadouros de sua casa uma vez por semana”, acrescenta.

Fonte:  BBC