Rio em verso e prosa: Tempo de Don Don

(Composição: Nei Lopes)


No tempo que Don Don jogava no Andaraí
Nossa vida era mais simples de viver
Não tinha tanto miserê, nem tinha tanto ti ti ti
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
 
Propaganda era reclame, ambulância era Dona Assistência,
Mancada era um baita vexame, e pornografia era só saliência
Sutiã chamava porta-seios, revista pequena gibi
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
 
Rock se chamava Fox e tiete era moça fanática,
O que hoje se diz que é xerox, se chamava então de cópia fotostática
Motorista era sempre chofer, cachaça era Parati
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
 
22 era demente, minha casa era meu bangalô,
Patamo era socorro urgente e todo Cana Dura era investigador
Malandro esticava o cabelo, mulher fazia Mis-en-plis
No tempo que Don Don jogava no Andaraí
No tempo que Don Don jogava no Andaraí